As Incubadoras Cívicas são um dos mecanismos escolhidos pela Fundação MASC para reforçar a participação cidadã na governação e no desenvolvimento do país. Elas funcionam como espaços de educação em valores éticos e democráticos que permitem que os jovens participem activamente dos espaços públicos ou de tomada de decisão a nível local e, igualmente, do desenvolvimento de soluções comunitárias para os desafios enfrentados localmente.

Apesar de ainda não ter sido oficialmente lançada, como nas províncias de Niassa, Cabo Delgado, Nampula, Gaza e Inhambane, Zambézia também já conta com uma incubadora cívica que trouxe uma nova abordagem para os jovens locais.

Para Glória Simone, membro da Incubadora Cívica do Bairro Santágua, em Quelimane, ”a iniciativa da Incubadora Cívica chegou no momento certo para responder às dificuldades e desafios que os jovens enfrentam. Actualmente, muitos jovens precisam de oportunidades e de ser recuperados. É por isso que saúdo esta iniciativa de inclusão social, política e económica, promovida pela Fundação MASC.”

Por sua vez, o chefe de quarteirão, António Mazunde, afirmou que as iniciativas da Fundação MASC estão em sintonia com o programa do Governo para o desenvolvimento local e devem continuar. Mazunde saudou também a iniciativa de criação de um fórum de diálogo local, pois, segundo ele, “ o cidadão tem dificuldades de marcar audiências nos sectores públicos e mesmo quando o faz, dificilmente é atendido, mas com este espaço os dirigentes de cada sector-chave serão convidados para dialogar com a comunidade”.

As Incubadoras Cívicas, que beneficiam do apoio financeiro da União Europeia, enraízam-se no pilar “governação democrática”, um dos pilares do plano estratégico da Fundação MASC. Este pilar – que estabelece que um país mais estável, democrático e próspero depende de uma governação forte, estável e responsável, que possa garantir uma abordagem mais inclusiva e aberta à interação cidadãos-Governo – tem como uma das metas aumentar a participação política e confiança nos processos políticos.

Refira-se que dada a sua natureza holística, as Incubadoras Cívicas, embora se enraízem no pilar de governação democrática, perpassam por 3 outros pilares do nosso plano estratégico, nomeadamente (i) construção da paz e coesão social, (ii) melhor acesso aos serviços básicos, e iii) fortalecimento dos meios de subsistência rural e geração de renda