No dia 16 de Abril de 2021, realizou-se a segunda sessão de escuta e debate a volta dos episódios 3 e 4 da Radionovela ´´NÃO VALE A PENA – STOP VIOLENCIA EXTREMISTA´´.

Recordamos que este exercício tem ocorrido todas as sextas feiras, nos escritórios da Fundação MASC, na cidade de Pemba, e todos os jovens são bem vindos a participarem!

Em preparação da sessão propriamente dita, dois exercícios foram realizados: (i) Revisão interactiva sobre os aspectos mais relevantes e marcantes da primeira sessão (episódios 1 e 2) e principais destaques da discussão, inclusive lições/aprendizados; (ii) Com base nas constatações da sessão anterior – assuntos/temáticas que se destacaram e marcaram a audiência – os jovens identificaram alguns que de forma muito particular tocam a  sua própria personalidade. Quatro aspectos levantados pelos próprios jovens se identificam com sua personalidade: Pouca fé, negatividade, falta de oportunidade e dificuldades.

Segundo os jovens presentes na sessão de escuta, estas constituem as suas fraquezas, o que lhes coloca em posição vulnerável, sujeitos a caírem na retórica dos grupos terroristas.

Este exercício teve por objectivo fazer uma introspeção, por cada jovem presente, sobre até que ponto a personalidade de cada um ou a que está construindo, a mentalidade ou atitudes podem prevenir ou constituir risco para que estes adiram aos grupos dos malfeitores.

De modo geral, esses sentimentos ou mentalidades constituem, sim, um risco agregado e que devem ser desconstruídos.

Os episódios 2 e 3, segundo os jovens constataram, mostram como a personalidade associada aos sentimentos de incredulidade, negatividade, falta de oportunidade e impotência podem estar a levar muitos jovens a procurar alternativas fáceis para mudar suas vidas e sonhar por um futuro mais risonho.

Após a escuta dos episódios, haviam já sido criadas condições para que os jovens pudessem discutir de forma aberta e franca sobre como contornar as armadilhas. Na sessão, histórias e experiência pessoais foram partilhadas e tiradas ilações, algumas das quais supracitadas. A maioria dos jovens sentiu que a ter de nutrir esses sentimentos negativos, afetando de forma negativa a construção da sua personalidade, correm muitos riscos de perder a batalha, havendo a necessidade de continuar a dialogar entre si sobre melhores formas de evitar trilhar caminhos sinuosos e perigosos.

No final, os jovens refletiram e encorajaram uns aos outros a como construir e nutrir auto-confiança,  sentimentos, atitudes e assumir comportamentos mais positivos.