O distrito de Memba, situado na zona costeira da província de Nampula, conta, desde a última sexta-feira, 19 de Novembro, com a iniciativa Organizações de Desenvolvimento de Aldeia (VDO’s, na sigla em inglês – Village Development Organization), uma abordagem da Fundação MASC que promove a participação da comunidade na definição das suas prioridades e na busca de soluções para problemas locais.

Além de serem espaços inclusivos para a definição de prioridades em termos de desenvolvimento (água, saúde, educação, infra-estruturas, etc.), os VDO’s são fóruns onde as comunidades desenvolvem propostas de soluções e articulam suas necessidades com os Governos distritais e actores relevantes do sector privado.

A iniciativa se insere no Pilar A do Plano Estratégico 2020-2030 da Fundação MASC, que é sobre Governação Democrática. Mas porque os Pilares do URITHI (legado, em Swahili), como é denominado o nosso Plano Estratégico, complementam-se e reforçam-se, mutuamente, os VDO’s atravessam, em particular, outros 2 Pilares, nomeadamente, Acesso Melhorado aos Serviços Básicos e Fortalecimento da Paz e Coesão Social.

O nosso entendimento é de que, se houver maior participação dos cidadãos nos processos de governação, melhorará a qualidade de governação e o acesso aos serviços públicos e, no geral, estar-se-á a contribuir para um Moçambique mais inclusivo, estável e resiliente, conforme a visão expressa no URITHI.

No distrito de Memba, a implementação dos VDO’s foi iniciada na localidade de Niaca-Geba, concretamente na comunidade de Baixo Pinda, um dos locais onde a Fundação MASC tem estado a desenvolver diversas actividades como forma de contribuir para a promoção da paz, o reforço da coesão social e para a contenção do extremismo violento, através de provisão de Meios de Subsistência Rurais, Resiliência e Geração de Rendimentos, conforme o Pilar D do URITHI.

No dia 19 de Novembro, cerca de 60 pessoas, divididas em grupos de jovens, mulheres, idosos e lideres comunitários, fizeram levantamento do que existe e não existe em Baixo Pinda, esboçando o chamado “mapa de sonhos”, que não é mais do que o reflexo das principais aspirações da comunidade.

Na ocasião, a mobilizadora provincial da Fundação MASC, ao nível da província de Nampula, Matilde de Melo, explicou, aos participantes, que o objectivo da iniciativa é ter um projecto de desenvolvimento de aldeia, que será, posteriormente, apresentado ao Governo, para a inclusão, no Plano Económico e Social do Distrito (PESOD), das necessidades da comunidade local.

“Mas este projecto também pode ser apresentado aos parceiros para potencial intervenção, naturalmente em coordenação com as autoridades locais”, acrescentou Matilde de Melo.

Na primeira sessão de VDO’s, em Memba, a comunidade de Baixo Pinda definiu as suas prioridades. Os jovens, por exemplo, apresentaram a necessidade da ligação de corrente eléctrica, água potável, escola secundária, hospital, melhoramento das vias de acesso, entre outras prioridades.

Avelino Ismael, um dos jovens que participou do evento, considerou os VDO’s como uma iniciativa inovadora.

“Não tínhamos este espaço. Por isso, ficamos satisfeitos por esta oportunidade que a Fundação MASC nos deu. Estes encontros vão nos ajudar a resolver os nossos problemas”, disse o jovem de 31 anos de idade, natural e residente de Baixo Pinda.

Quem também encontrou nos VDO’s o espaço para expor as suas preocupações é Farah Amade. Segundo ela, as necessidades de Baixo Pinda incluem “água, energia, estrada, lugar próprio para educação de adultos, hospital, maternidade melhorada e mercado para venda do nosso pescado”.

Enquanto isso, Ambasse Mussavula, líder religioso daquela comunidade, falou da fraca cobertura da rede de telefonia móvel e de um mercado para a venda de material de pesca, uma das principais actividades naquela aldeia costeira da província de Nampula.

Por seu turno, o chefe da localidade de Niaca-Geba, Alfredo Lapone, congratulou a iniciativa da Fundação MASC de ir ouvir as necessidades da própria base.

“Se esta iniciativa se materializar, creio que Baixo Pinda não será Baixo Pinda de ontem”, disse Alfredo Lapone, que espera que os VDO’s se expandam por toda a sua localidade.

Matilde de Melo, a mobilizadora provincial da Fundação MASC, em Nampula, garantiu que a aposta é expandir a iniciativa para outros pontos do distrito de Memba e, quiçá, da província.