Por ocasião do Dia Mundial do Hip-Hop, anualmente celebrado a 12 de Novembro, a Casa Provincial da Cultura de Cabo Delgado e a Fundação MASC, através do Grupo Temático de Arte e Cultura da Incubadora Cívica de Pemba, realizaram, na última sexta-feira, um festival de Hip-Hop, que juntou, na capital provincial, dezenas de jovens, tendo a paz como pano de fundo.

Além de assinalar a passagem do Dia Mundial do Hip-Hop, o Festival de 12 de Novembro, o primeiro de género na cidade de Pemba, visava, por um lado, promover uma maior aproximação entre os jovens de Cabo Delgado, incluindo os deslocados devido à violência extremista e, por outro, divulgar o mosaico cultural daquela província do norte de Moçambique.

Com efeito, os jovens encontraram, no festival denominado Ehapari Tcho Watuniani (Notícias do Mundo, em EmaKhuwa) uma oportunidade para expressarem seus sentimentos, através da arte, incluindo a apresentação de poemas, num evento que contou com cerca de cinco dezenas de participantes, entre artistas e convidados.

Realizado numa província severamente fustigada pelo extremismo violento, o Festival do Hip-Hop, que decorreu sob o lema “o mundo muda a cada gesto teu”, teve como pano de fundo mensagens de apelo à paz, através de abertura e amor ao próximo, incluindo cartazes com dizeres como “Cabo Delgado Unida, Forte e Resiliente” e “Artistas de Cabo Delgado são pela Paz”.

O Festival de Pemba constituiu, também, uma oportunidade para a angariação de  donativos como produtos alimentares, roupa, calçado, entre outros, para deslocados da violência extremista.

Refira-se que a arte e cultura fazem parte das diversas iniciativas que a Fundação MASC tem estado a desenvolver como forma de contribuir para o fortalecimento da paz e da coesão social, particularmente no norte de Moçambique.

A gravação, no ano passado, de um álbum musical denominado “Moçambique Yethu: Stop Violência Extremista”, contendo 12 faixas musicais de apelo à paz e sensibilização dos jovens para não aderirem ao extremismo, e a produção e disseminação da radionovela “Não Vale a Pena-Stop Violência Extremista” fazem parte dessas iniciativas que se enquadram no Plano Estratégico 2020-2030 da Fundação MASC, concretamente no Pilar B, que é sobre o Fortalecimento da Paz e Coesão Social.

Para a Fundação MASC, as manifestações artístico-culturais são instrumentos fundamentais para fortalecer a coesão social e promover a paz, não só através das mensagens veiculadas através da música e do teatro, por exemplo, mas também através da aproximação de diferentes extractos da sociedade, independentemente da sua orientação política, cultural ou de qualquer outra índole.

(Imagens cedidas por Abdul Azize)