Foi durante uma interação com raparigas deslocadas de guerra, que estão a ser assistidas através da Incubadora Cívica de Pemba, que o Embaixador da União Europeia, em Moçambique, Antonio Sánchez-Benedito Gaspar, enalteceu, esta sexta-feira (06.11.2020), o trabalho que a Fundação MASC (Mecanismo de Apoio à Sociedade Civil) tem vindo a desenvolver no contexto da violência extremista que assola a província de Cabo Delgado.

Antonio Sánchez-Benedito Gaspar falava depois de ouvir o “grito de socorro” feito pelas raparigas sob assistência da Incubadora Cívica de Pemba, uma das iniciativas da Fundação MASC que, entre outros objectivos, visa dotar jovens de competências e habilidades para participarem, activamente, no desenvolvimento do país.

No encontro com o Embaixador, em Pemba, as raparigas começaram por agradecer a assistência que têm recebido da Fundação MASC, pedindo, por isso, que a União Europeia continue a financiar as acções desta Organização da Sociedade Civil para que ela não pare de dar os apoios que, segundo aquelas deslocadas, têm sido de extrema importância neste momento difícil por que passam.

Foi depois de ouvir esse pedido que Antonio Sánchez-Benedito Gaspar reafirmou o compromisso da UE em continuar a apoiar as vítimas da violência extremista na província de Cabo Delgado.

“Sei que há muito sofrimento. A situação é muito grave. Mas vamos fazer todo o possível, conjuntamente, com as autoridades”, garantiu o Chefe da Delegação da União Europeia, em Moçambique, que se solidarizou com as vítimas dos ataques de Cabo Delgado.

O Embaixador destacou que o apoio da UE está focado aos grupos mais vulneráveis, que incluem, justamente, as raparigas, pois, além dos ataques armados, estas estão sujeitas a outras situações como violações sexuais e casamentos prematuros.

Para Antonio Sánchez-Benedito Gaspar, é importante apoiar as raparigas na formação para saberem fazer. As raparigas, acrescentou, devem também ser dotadas de conhecimentos sobre os seus direitos para serem donos do seu corpo.

Foi neste contexto que o Diplomata saudou o que chamou de “bom trabalho” que tem sido levado a cabo pela Fundação MASC.

“A Fundação MASC é uma Fundação com a qual temos uma parceria de longa data. Tem bom conhecimento do terreno. Tem pessoas bem capacitadas. Tem iniciativas muito válidas, que estão a produzir efeitos”, enalteceu.

Refira-se que, além da assistência a raparigas deslocadas de guerra, a Fundação MASC está a desenvolver, com apoio da União Europeia e demais Parceiros Estratégicos e junto do Governo de Moçambique, diferentes iniciativas para o reforço da Coesão Social e Resiliência à Radicalização no norte do país, particularmente em Cabo Delgado, usando mecanismos interactivos e inovadores.

A promoção de narrativas alternativas à violência, através das Artes e Cultura, rádio-novelas e teatros radiofónicos, banda desenhada e outras plataformas de comunicação, faz parte das diversas intervenções em curso, inseridas no Plano Estratégico 2020-2030 da Fundação MASC.

Ainda esta sexta-feira, o Embaixador da União Europeia, em Moçambique, visitou os escritórios da Fundação Aga Khan, em Pemba, onde ficou a saber das várias acções que têm sido levadas a cabo, juntamente com a Fundação MASC, em prol da coesão social e na luta contra o extremismo religioso.